Livro: A Formiga Aventureira

 

Criamos um livro on-line no site http://www.tikatok.com/ mas infelizmente para o partilhar é necessario pagar, então partilhamos convosco a fotografia da capa…

 

A história foi escrita por alunos de uma Escola Básica e foi ilustrada por crianças entre os 6 e os 8 anos.

 

Entrevista Com uma Menina de Dez Anos

Fizemos uma entrevista a uma criança de dez anos, no passado Domingo, dia 12 de Junho.

Perguntas:

1. Como é que te chamas?

2. Quantos anos tens?

3. Andas na escola?

4. Costumas desenhar na escola?

5. Costumas desenhar em casa?

6. O que é que gostas mais de desenhar?

7. Tens algum jogo preferido?

8. Costumas jogar mais na escola ou em casa? 

9. Com quem costumas jogar na escola?

10. Com quem costumas jogar em casa?

Entrevista em Audio aqui

Algumas técnicas que estimulam a criatividade das crianças

A criança pode utilizar fragmentos de objectos, peças de brinquedos estragados e aos mais diversos desperdícios para fazer as suas construções. Este processo diverte-as, pois há uma variedade de soluções inesperadas e surpreendentes. A livre associação de imagens, recortadas de revistas, proporcionam a realização de colagens surrealistas.

A criança é sensível ao carácter lúdico da colagem, que joga com diversas formas de abordar o real, aprimorando sua capacidade de improvisação e humor. No mundo virtual, a criança pode encontrar uma infinidade de passatempos. Há jogos, livros e vídeos desenvolvidos especialmente para capturar a atenção dos pequenos e, ainda, aperfeiçoar suas habilidades, como a percepção visual e a coordenação motora

Alguns sites oferecem livrinhos de histórias com imagens grandes e pouco texto, páginas que permitem desenhar e pintar na tela do computador ou que oferecem desenhos para colorir. Existem também vídeos educativos ou animações desenvolvidas para crianças, jogos de encaixe, labirinto, quebra-cabeças de peças grandes etc. Essas actividades, praticadas no computador, tendem a apurar a percepção visual e a orientação espacial. O uso do “rato” e a observação da tela também estimulam a coordenação dos olhos e das mãos.

os desenhos das crianças em diferentes idades

Desenho de criança de 3 anos

Desenho de criança de 5 anos

desenho de criança de 6 anos

desenho de criança de 8 anos

desenho de criança de 9 anos

[desenho+joao.jpg]

desenho de criança de 11 anos

desenho de criança de 15 anos

O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afectivos

O jogo não é simplesmente um “passatempo” para distrair os alunos, pelo contrário, corresponde a uma profunda exigência do organismo e ocupa lugar de extraordinária importância na educação escolar. Estimula o crescimento e o desenvolvimento, a coordenação muscular, as faculdades intelectuais, a iniciativa individual, favorecendo o advento e o progresso da palavra. Estimula a observar e conhecer as pessoas e as coisas do ambiente em que se vive.

Através do jogo o indivíduo pode brincar naturalmente, testar hipóteses, explorar toda a sua espontaneidade criativa. O jogar é essencial para que a criança manifeste sua criatividade, utilizando as suas potencialidades de maneira integral. É somente sendo criativo que a criança descobre o seu próprio eu.

A acção, durante o movimento do jogo, provoca espontaneidade. Isto causa estimulação suficiente para que o aluno transcenda a si mesmo. Ele é libertado para penetrar no ambiente, explorar, aventurar e enfrentar sem medo todos os perigos.

Dessa experiência integrada, surge o aluno activo e participativo dentro de um ambiente total, e aparece o apoio e a confiança que permite a ele desenvolver qualquer habilidade necessária para a comunicação dentro do jogo.

Os jogos proporcionam a criança adquirir o domínio da comunicação com os outros.

O Jogo permite às crianças usar a sua criatividade enquanto desenvolvem a imaginação, destrezas e força física, cognitiva e emocional. O jogo livre é fundamental para o desenvolvimento saudável do cérebro. É através do jogo que as crianças, numa idade muito precoce, interactuam com o mundo que as rodeia.

Os benefícios da Música na Criança

A música está cada vez a ser mais  introduzida na educação das crianças desde o  pré-escolar, devido à importância que representa no seu desenvolvimento intelectual, auditivo, sensorial, da fala e motor.

A criança começa-se a expressar de outra maneira e é capaz de integrar-se activamente na sociedade, beneficiando o contacto com as outras crianças.

Na fase de alfabetização a criança é mais estimulada com a música, pois, as canções como são dinâmicas, rimadas e repetitivas e também são acompanhadas muitas das vezes por gestos que se faz quando se canta. Assim, a criança terá uma melhora na sua forma de falar e entender o significado das palavras. Também beneficia o poder da concentração, até mesmo facilitando a aprendizagem de outros idiomas e no desenvolvimento de memorização.

Um outro benefício da música é a expressão corporal da criança, porque através da música pode melhorar a sua coordenação e combinar uma série de movimentos.

A Criança e o Jogo – Piaget

Piaget caracteriza os jogos em três grandes tipos de estruturas: jogos de exercício, simbólico e de regras.

Jogo de exercício (0-2 anos): A principal característica deste estágio, que Piaget classifica como período sensório-motor, é obter a satisfação de suas necessidades. Com a ampliação dos esquemas, a criança torna-se cada vez mais consciente de suas potencialidades, colocando em acção um conjunto de condutas, sem modificar as estruturas, onde as acções ficam focas apenas em atingir os seus objectivos maiores que é a prazer. Este jogo é o primeiro a aparecer na criança, mas também pode envolver as funções superiores de pensamento, ou seja, estará presente em todos os estágios da nossa vida, inclusive adulta, pois o prazer deve estar sempre presente em tudo que fazemos.

Jogo simbólico (2-6 anos): Segundo Piaget, estes jogos fazem parte da fase pré-operatória, onde a criança, além do prazer, começa a utilizar a simbologia. A função simbólica já está estruturada e começa a fazer imagens mentais, já domina a linguagem falada. A criança tem a possibilidade de vivenciar aspectos da realidade, muitas vezes difícil de elaborar.

Jogo de regras (+ 7): De acordo com Piaget, este jogo está presente no período operatório concreto – a criança aprende a lidar com delimitações no espaço, no tempo, o que pode e o que não pode fazer. Ao invés de símbolo, a regra supõe relações sociais, visto que a regra é imposta pelo grupo e sua falta significa ficar de fora do jogo.

A Criança e o Jogo

Estimular a criatividade das crianças através da arte

É muito comum ouvirmos as pessoas dizerem que não têm criatividade – o que não é verdade. Em algumas pessoas ela está mais visível do que em outras, é verdade, mas todos nascemos com criatividade, a única diferença é o que fazemos com ela. O processo de criatividade manifesta-se claramente nos desenhos infantis, que é o primeiro registo concreto da expressão pessoal. O desenho das crianças é feito de maneira inconsciente, sem a preocupação do que os outros vão pensar.

Elas gostam de pintar, desenhar, modelar e construir. Experimentar os diversos materiais, aprender a expressividade directa do traço, a percepção da linha que gera formas, etc. O contacto com a arte contribui para desbloquear o processo criativo, proporcionando assim a descoberta das mais variadas formas de expressão. Por volta de dois anos de idade já são feitos os primeiros rabiscos. Nesta fase, a criança está livre das influências externas. Aos poucos as linhas vão ficando mais controladas, conforme a criança adquire um controle visual sobre elas. A partir dos quatro anos, surgem as primeiras experiências representativas. O desenho é a oportunidade de a criança organizar suas experiências, convertendo o pensamento em forma de desenho.Portanto, não se deve estabelecer técnicas nem padrões.

Já por volta dos sete anos, a criança começa a estruturar os seus processos mentais de tal forma que pode começar a ver relações com seu ambiente. Ela tende a desenhar a sua casa, a família, os amigos e a escola. Entre os nove e doze anos, a criança deixa de lado a repetição dos mesmos símbolos. Ela adquire autocrítica e também consciência do ambiente natural. Aí, então, ela passa a preocupar-se com proporções e profundidade.

A arte da criança

“Quando delegamos tarefas aos pequenos, nos surpreendemos com a criatividade deles.” Luiz Carlos Prates

Depois de vermos o vídeo concluímos que é de facto verdade que o potencial latente de criatividade de uma criança é muito forte. Contudo dizer que sites de relacionamento e novos recursos tecnológicos são um factor negativo para as crianças é uma afirmação que não é de todo correcta. Vivemos na era das tecnologias, privar uma criança destas mesmas tecnologias seria um erro e impediria o seu desenvolvimento uma vez que vivemos numa sociedade globalizada, tudo gira á volta da tecnologia. Por isso inserir novidades, em termos de tecnologia não afectará a criatividade, pelo contrário, poderá ajudar as crianças a desenvolverem-na.

O desenho…

     Quando a criança faz um desenho é de forma involuntária, mas temos que respeitar e ponderar que é uma “obra-prima”. A aos seus dois anos já começa a querer um papel e algo que escreva para começar a desenhar.

Criança a desenhar

Portanto o desenho é importante para a criança, porque pode “desabafar” de uma maneira silenciosa, pode exprimir as suas emoções. A criança ao executar o desenho desenvolve a sua criatividade e o seu desenvolvimento psicológico e até motor.

       Devemos incentivar as crianças a desenharem, não só para perceber o que se passa com ela, mas também para desenvolver o seu grafismo, reter mais informação e assim construir novos conhecimentos.

       Em suma as expressões plásticas são importantes para a criança se desenvolver a nível psico-motor.

Previous Older Entries